Departamento de Química – ICEX / UFMG
Departamento de Química – ICEX / UFMG

Comissão Orientadora de Estágios (COE/DQ)

Histórico

Em 2018 a Chefia do Departamento de Química (DQ), apoiada por alguns docentes e representantes dos servidores técnicos administrativos, iniciou rodadas de discussão sobre um planejamento estratégico. Foram criadas algumas Comissões de Assessoria subordinadas à Câmara Departamental, dentre elas a Divisão de Ensino (DE) que tem como missão propor ações de melhoria visando à internacionalização dos cursos de graduação ofertados pelo DQ, além de estratégias para atender às demandas de disciplinas ofertadas pelo DQ aos outros cursos da UFMG.


Uma das deficiências detectadas nas estruturas dos cursos de Bacharelado e Química Tecnológica foi o gerenciamento do estágio profissional. A disciplina Estágio Curricular Obrigatório requer o acompanhamento de cada aluno matriculado, tanto sob a ótica acadêmica quanto à legal. Dessa forma, a DE debateu o problema, analisou regras e portarias relativas à atividade e, após várias reuniões, elaborou uma resolução na qual foi proposta a criação da
Comissão Orientadora de Estágios do Departamento de Química (COE/DQ). Em novembro de 2018, a Câmara Departamental do DQ aprovou a resolução e a composição da COE, cujos nomes foram sugeridos pela Chefia do Departamento.

Composição

A estrutura administrativa da COE é constituída por um presidente e por um vice-presidente, nomeados pelo Chefe do Departamento de Química e com mandatos de 2 anos, sendo permitida a recondução.

O organograma funcional da COE/DQ é constituído de duas unidades básicas. A unidade de Orientação, composta por quatro docentes e a unidade de Captação, composta por dois docentes.

MEMBROS E CARGOS

Nome Unidade Cargo(s)
Luiza de M. P. Dolabella Orientação Presidente/Orientador
Henriete S. Vieira Orientador
Camila N. C. Corgozinho Orientador
Ronaldo L. Fabiano Orientador
Adão A. Sabino Captação Vice Presidente/Captador
Renata Costa S. Araújo Captador

 

Atribuições

A COE tem como principal função o gerenciamento e a orientação de estágios obrigatórios dos alunos do DQ, além da estruturação de mecanismos para estabelecer convênios e acordos que possam garantir a oferta regular de vagas para estágios.

O presidente da COE, paralelamente às atribuições de orientação, é responsável:

  1. Pelo gerenciamento e orientação de todos os alunos dos cursos de Química e Química Tecnológica que cumprem cargas horárias de estágios não obrigatórios,
  2. Pela gestão de todos os estágios obrigatórios e não obrigatórios de alunos que são vinculados às outras unidades da UFMG ou outras instituições de ensino, tanto públicas quanto privadas, que cumprem suas cargas horárias de estágio no DQ.
NOME TEL SALA E-MAIL
Adão A. Sabino (31)3409-6373 248 aasabino@gmail.com
Henriete S. Vieira (31)3409-5760 236 henrietesv@qui.ufmg.br
Camila N. C. Corgozinho (31)3409-7576 LEC camilacorgozinho@yahoo.com.br
Luiza de M. P. Dolabella (31)3409-5761 243 lmpd@ufmg.br
Renata Costa S. Araújo (31)3409-7576 LEC renatasa@hotmail.com
Ronaldo L. Fabiano (31)3409-5744 293 lepesque@terra.com.br

 

Missão, Valores e Visão

Missão: A razão para a existência da COE é a necessidade de promover as melhores condições para estabelecer uma relação harmônica, produtiva e amparada juridicamente entre as Instituições de Ensino, os Campos de Estágio e Estagiários que têm ou que vierem a ter algum vínculo não empregatício com o Departamento de Química da UFMG.

Valores: Ética profissional, conhecimento, responsabilidade, segurança e obediência à legislação.

Visão: Os principais objetivos da COE são:

  • Assegurar, por competência, que os alunos dos cursos de Química da UFMG tenham oportunidade de cumprir parte de suas atividades acadêmicas obrigatórias em empresas idôneas que os reconheçam por sua capacitação;
  • Desenvolver uma política de oferta de oportunidades de estágios para contribuir, principalmente, para a formação de técnicos de nível médio e, em menor extensão, alunos de graduação externos que venham suprir parte da demanda criada pela ausência de bolsistas decorrente da falta de recursos nos programas de pesquisa e ensino.